• @UsConservadores

Era uma vez uma operação chamada lava jato



Após a saída de Deltan Dallagnol, procuradores da lava jato de São Paulo pedem demissão coletiva.


Lembro-me que num dos meus ensaios, ao falar da operação lava jato, disse que esta fazia parte das nossas conquistas. Edificada sob os muros da fé na justiça, essa mesma operação repatriou bem avaliados na quantia de R$ 745.100.000,00, com 1.343 buscas e apreensões, 130 prisões preventivas, 163 prisões temporárias, 118 denúncias, 500 pessoas acusadas, 52 sentenças e 253 condenações (165 nomes únicos) a 2.286 anos e 7 meses de pena, conforme mostram os portais da polícia federal e do ministério público federal. Infelizmente — e evidentemente — esses resultados não foram motivo de felicitação, mas de desgraça. Claro, esse é o tipo de sentimento que reside nos envolvidos, familiares e apaixonados pelos investigados, além dos beneficiados com a impunidade. O fato é que depois de ganhar notoriedade na mídia e no cenário político, a operação foi alvo de representantes de todos os poderes, tendo sido contrariada inúmeras vezes, especialmente depois do conteúdo desastroso postado pelo site The Intercept.


A lava jato não foi somente a operação que prendeu o ex-presidente Lula — como tentam transparecer alguns portais de informação — os números já citados ilustram o que eu estou a dizer. Contudo, parece que a narrativa de "perseguição política" adotada pelos petistas, bem como a narrativa de leniência em relação aos tucanos adotada pelos bolsonaristas, foi proclamada para reforçar suas respectivas mágoas políticas. O fel provado parece ter azedado não somente o paladar, mas também o espírito, pois esses senhores fizeram de tudo para que a operação levantasse a bandeira branca. A saída de Deltan Dallagnol abalou os ânimos e foi alvo de diversas especulações sobre o que seriam as reais intenções do procurador. Porém, depois de sua saída da operação, procuradores da lava jato de São Paulo pediram demissão coletiva. A operação está enfraquecendo? Parece que sim.


As taças dos corruptos juntam-se em alto e bom som, para que o povo, tomado pelo espírito de confiança no combate à corrupção, seja abalado com essas derrotas no caminho. A operação lava jato está a sofrer ataques quase que diariamente, e todos os que contribuem para seu fim, que outrora faziam parte ou festejavam com corruptos, hoje labutam para convencer o povo de que "o lavajatismo precisa ser superado". Superado, um eufemismo para dizer que se está a tentar destruir uma de nossas mais caras conquistas. Por "superado" se está a dizer impedido, atenuado, enfraquecido o máximo possível para fins obtusos.


Era uma vez uma operação chamada lava jato, porque os príncipes da "justiça" incomodam-se com a justiça, mas chamam-se os paladinos da moral, os reais e servos da lei, que supostamente não possui superiores, a não ser os nomes e títulos dos "democratas". A corrupção não é somente uma prática ilícita, mas um câncer em metástase, enraizado em todas as ramificações do corpo político. Mas há muitos em silêncio, calados pelo "lobo-guará". Quando se tem preço, é obrigatório entregar o produto ao comprador, nesse caso, a moral.


Por Renan Jorge

44 visualizações0 comentário

Receba Nossos Artigos:

Os Conservadores © 2020