• @UsConservadores

Moro: o Brasil te Convoca


A hashtag #MoroBrasilTeConvoca está a ganhar espaço entre os assuntos mais comentados do twitter. Apesar de o próprio Moro ter manifestado sua preocupação com um assunto mais urgente — a covid-19 —, as pessoas já estão a especular e a pedir sua candidatura à presidência da República na próxima eleição. Sem posicionar-me no que diz respeito ao meu sentimento em relação ao possível candidato, é preciso reconhecer uma coisa: diferente de outras ocasiões, este é um esforço de baixo para cima.


Claro, não estou a dizer que, de fato, "o Brasil" está a pedir o nome de Moro nas eleições em 2022 — já que o Brasil, em abstrato, nunca será capaz de pedir o nome de ninguém. Mas este não é um esforço em que o candidato está a pedir o apoio das pessoas; o que acontece é o exato oposto: por receber o apoio das pessoas, deseja-se a candidatura de Moro. Há, contudo, implicações? Sim


Como nunca é tarde para lembrar, Dias Toffoli já deu a entender que não será tão fácil assim, e já parece existir um movimento para inviabilizar a candidatura de Moro, basta relembrar a fala de Toffoli sobre a necessidade de o Congresso aprovar um prazo de oito anos para que juízes e membros do Ministério Público possam se candidatar a cargos políticos. Torço, é claro, para que Moro — assim como qualquer candidato com possibilidades legais de candidatura — possa candidatar-se.


Primeiro: para cumprir o que se está a chamar de "democracia" — não seria nada democrático inviabilizar a candidatura de um inimigo por motivos pessoais. Segundo: para aumentar as opções políticas no mercado, que, sinceramente, não agradam muito.


O cuidado, porém, é a ferramenta essencial de uma política prudente, e frases como "vou apoiá-lo acima de qualquer coisa" não são um exemplo de prudência. É preciso, antes de qualquer coisa, ater-se ao fato de que Moro não é perfeito e que não está compromissado com um aspecto político específico. Dito de outro modo, Moro pode decepcionar tanto a esquerda como a direita — politicamente falando. Um exemplo? A última polêmica envolvendo a possível chapa entre ele e Huck — o que, obviamente, não pretendo comentar ainda.


Moro pode favorecer nossas opções políticas, excitar um pouco mais o cenário em 2022 e incentivar candidaturas com perfis voltados ao combate à corrupção. Um nome que certamente não deixará horizonte político tão cedo. Que seus adversários acostumem-se com isso.


Por Renan Jorge

17 visualizações0 comentário

Receba Nossos Artigos:

Os Conservadores © 2020